dart-vader-violino

O Estereótipo De Cada Músico

CONFIRA AQUI O POST EM NOSSO NOVO ENDEREÇO CLIQUE AQUI

anônimo

Maestro – Sujeito magro, porte austero. Veste-se muito bem, adoraria usar roupas mais confortáveis, mas a imagem não permite. Óculos é obrigatório. Careca (ou quase). Um cara normalmente chato, aquele que só é convidado para o “chopinho de depois do concerto” por obrigação. Olha a todos de cima, mas adoraria ser popular. Suas piadas não têm graça nenhuma, mas todos riem. Em suma, é o ídolo do violinista, mas, no fundo, no fundo, admira o trompetista. Carro preto ou prateado do ano.

Oboísta – Todo oboísta queria ser maestro, mas a timidez o impede. Sempre muito reservado, necessita ter tudo sob controle. Perfeccionista por natureza. Dedos finos e cabelo sempre bem alinhado. Fica sempre meia hora depois do ensaio, limpando o instrumento. Vai à manicure, mas é segredo! Seu momento de glória é dar o Lá para afinar a orquestra.

Violinista – Alto, sempre com pinta de importante. Adoraria ser maestro, mas acha uma posição muito inferior ao seu talento. Considera-se o mais importante da orquestra e tudo que diz reforça essa tese. Antes do ensaio, toca sempre partes do concerto de Brahms, para impressionar os outros violinistas. Quando o maestro chama a atenção de outro naipe, o violinista sempre dá um sorriso sarcástico, quase imperceptível. Sai de cada ensaio com o orgulho de “dever cumprido” e vai para casa – um apartamento minúsculo -, onde uma foto da mãe está acima do espelho gigante na sala.

Violoncelista – É um cara legal. Um amigo para toda hora, mas muito fofoqueiro. Sabe da vida de todos da orquestra. Adora tocar solos de violino nos harmônicos só para irritar os violinistas. Loiro, o cellista é mais charmoso do que bonito. Acha-se um privilegiado por não ter que levantar no final do concerto e é vaidoso.

Violista – É o coitado da orquestra. Introvertido, olhar triste. O maestro nunca lhe chama a atenção: afinal a parte a viola não tem importância mesmo. Começou na música com sonhos ambiciosos de ser um violinista de sucesso, mas por falta de talento ou estudo trocou para a viola e, desde então, é um frustrado. Juntamente com o pianista acompanhador, é um suicida em potencial, mas sem coragem para o ato. Carrega sempre o estojo surrado com a viola e sempre responde com um sorriso amarelo a pergunta “você toca violino?”. Um segredo: todo violista tem um bom coração, mas ninguém percebe.

Contrabaixista – Baixinho e temperamental. Escolheu o contrabaixo para “impor respeito”, mas o tiro saiu pela culatra. Estuda somente nos ensaios, a não ser que tenha que tocar uma peça barroca, onde é o único a tocar o baixo. Acha-se importante por sustentar toda a orquestra, mas na verdade sabe que ninguém o ouve. Sempre com camisa branca e cabelo curto Toca baixo elétrico secretamente.

Violonista – O melhor amigo de todo mundo. Companhia perfeita para o choppinho da tarde. Rabo de cavalo e óculos escuros são pré-requisitos. Relaxado e “eclético”, mas odeia ser chamado de guitarrista. Tem vários amigos e várias namoradas. Jura que toca um instrumento clássico, mas não hesita em aceitar fazer “cachê” em barzinho de bossa nova. Passat velho ou bicicleta.

Pianista acompanhador – Olhar cabisbaixo, terno preto e surrado. Cabelos castanhos e despenteados. Carrega sempre uma pastinha com partituras. Odeia cantores, afinal “Não sabem contar”. Auto-estima em baixa, é um suicida em potencial. Jura que nunca mais vai aceitar tocar “em cima da hora”, mas sempre aceita uma emergência. Vive com a esperança de que alguém finalmente reconheça seu trabalho duro – o que nunca acontece.

Pianista solista – Cabelo preto e curto. Sempre ocupado porque precisa “estudar”. Nunca vai a festas, e, quando aparece, vem sozinho e sai mais cedo. Quando olhamos em seus olhos, nunca sabemos o que está se passando pela sua cabeça. Tem um papo agradável, mas é um alienado em relação a assuntos extramusicais. Adora comparar gravações de outros pianistas. Tem sempre uma ou duas cantoras apaixonadas por ele, mas está sempre muito ocupado para relacionamentos. Admirado pelos violinistas, acha tocar música de câmara uma perda de tempo.

Organista – Cabelos completamente desalinhados, barba por fazer. Sempre correndo de um lado a outro carregando dezenas de partituras fora de ordem. Vive num mundo à parte. Óculos somente para leitura. Roupas amassadas e surradas. Um desavisado diria que é um professor de química ou um gênio incompreendido. Odeia pianistas. Solitário, mas fala pelos cotovelos, quando o assunto é dedilhado ou afinação da Renascença. “Deus é Buxtehude, Bach já foi prostituído pelos pianistas”.

Harpista – Mulher, magra, e bem branca, com cabelos desalinhados. Muito tímida, nunca é vista entrando ou saindo dos ensaios, mas está sempre lá. Usa sempre vestidos compridos e meio “fora de moda”, mas tem um sorriso simpático. Seu carro tem vários adesivos com harpas por todo lado. Adora chat rooms. Ninguém conhece seu namorado, mas ele está sempre por perto para colocar a harpa no carro depois do concerto.

Trombonista – Cabelo castanho e um pouco acima do peso. Sempre com uma piada na ponta da língua, o trombonista adora churrasco e a companhia de amigos Adora Mahler, acha Beethoven meio devagar e morre de medo do Bolero de Ravel. Tem pelo menos um cachorro em casa e sempre que pode coloca um glissando só pra “dar um toque especial”.

Trompetista – Adora sair para tomar cerveja com os amigos. Chega sempre atrasado no ensaio, mas nunca ninguém percebe. Os churrascos são sempre na sua casa. Se o maestro não está presente, fica sempre tocando a nota mais aguda possível para se mostrar. Tem os lábios rachados e usa isso para paquerar. Está sempre andando pelos bastidores fazendo “prrrrrrrrrft” com seu bocal.

Soprano – Gorda e metida não são adjetivos educados para se caracterizar uma soprano. Elas são avantajadas fisicamente e temperamentais. Têm que ser o centro das atenções – no palco e fora do palco. São invejadas pelos contraltos e adoram isso. São amantes excelentes, péssimas esposas. Vestem-se com roupas chamativas, adoram chapéus. Preferem champagne ao vinho e não sabem ler partitura: afinal aprendem tudo com o “ouvido maravilhosos que Deus lhe deu”. Andam sempre acompanhadas de seu pianista-acompanhador preferido, que chamam de “maestro”.

Tenor – Bem apessoado, jovem, bonito, charmoso e gay. Anda sempre com roupas modernas e na moda. Tem várias amigas e quer sempre “viver o momento”. Tenta sempre parecer alegre e de bem com a vida, mas, se está de mau humor, faz questão de anunciar para todo mundo. Não toma sorvete, porque tem que “preservar a voz”, mas fala sempre alto para ser ouvido do outro lado do bar. Malha regularmente, vai ao cabeleireiro e flerta com quem passar na frente.

Contralto – Morena e muito alta. Não é muito bonita, mas se veste bem. Não gosta de sopranos, mas sua “melhor amiga” é uma. Gosta muito de flores e usa um perfume forte, mas agradável. Meio desajeitada quando anda. Odeia saladas, mas está sempre cuidando do peso.

Baixo – Alto, cabelo preto e parrudo. Ninguém sabe o que está se passando na cabeça de um baixo – se é que alguma coisa existe atrás daquele olhar perdido. Meio devagar, para falar a verdade. Quer sempre ajudar o próximo, mesmo que isso atrapalhe sua vida pessoal. Suas meias nunca combinam, mas adora fazer papel de “vilão bem vestido” nas óperas. Come de boca aberta.

Fagotista – Magro, cabelo encaracolado. É o típico sujeito normal. Curioso por natureza. Sempre simpático e atencioso. Também é muito misterioso: nunca ninguém foi à casa de um fagotista. Somente os outros sopros sabem o nome dele. Dedos longos e mãos finas. Lembra Sherlock Holmes no jeito de andar.

Tubista – Sujeito acima do peso, loiro e com cabelo encaracolado. Pele oleosa e bochechas vermelhas, sua feito um porco quando toca. Ri de tudo, mas raramente entende uma piada. Gosta de comer bastante e não tem namorada.

Flautista – É o violinista das madeiras, mas não tão metido. É perfeccionista, mas sabe que o mundo não é perfeito. Adora Debussy e fica horas ouvindo suas próprias gravações. Enxerido, dá palpite até no dedilhado do trompista. Vive num mundo à parte e cuida da flauta como se fosse sua filha. É o único que não acha o som do piccolo irritante.

Clarinetista – É um cara engraçado. Veste-se bem, mas não é vaidoso. Pode ser loiro ou moreno. Toca com as sobrancelhas e é mais esperto do que inteligente. Adora ficar chupando a palheta enquanto não toca, mas, se desafina, joga a palheta fora. Não agüenta mais tocar o início da Rapsody in Blue para os outros músicos atrás do palco.

Percussionista – Magro com braços longos, o percussionista se gaba de tocar “mais de 20 instrumentos diferentes” e “tirar música de qualquer lugar”, mas, por alguma razão incompreensível, sempre entra na hora errada – “culpa da orquestra que está arrastando o tempo” ele diz. Toca bateria numa banda de garagem escondido e acha o Bolero de Ravel uma chaeação, mas sempre fica nervoso antes de apresentá-lo. Nos ensaios é sempre o primeiro a ir para casa e nos concertos sempre o último e ainda fica resmungando por ter que “desmontar” o “equipamento”. Um cara legal que acha qualquer sinfonia clássica “cachê fácil” e jura que existe uma técnica especial de se tocar triângulo.

Trompista – Um cara discreto. Não fala muito. Tem trauma de falhar notas, por isso está sempre desmontando o instrumento para tirar a “água” durante o concerto. A parte do palco em volta da sua cadeira está sempre molhada. É sempre o último a afinar o instrumento antes do maestro entrar e, de vez em quando, ainda toca um “Fazinho” durante os aplausos só para conferir. Está sempre olhando para o fagotista para saber a hora certa de entrar: afinal não consegue contar mais de 20 compassos de pausa. Nunca reclama quando lhe chamam a atenção, mas é quase certo que faz gestos obscenos com a mão que está escondida no instrumento. Tem pesadelos antes de apresentações com o concerto para piano de Tchaikovsky.


Autor: anônimo.

15 comentários sobre “O Estereótipo De Cada Músico

  1. Adorei todos os comentários, acho que realmente sou um pouco chato com os músicos. Ando percebendo que minhas piadas são sem graça. Sempre me orgulhei de não ser careca (ou quase), mas outro dia vendo uma das muitas fotos que tiram de mim quando estou de costas para a plateia percebi que estou ficando calmo. Acho que é uma maldição dos maestros.
    Parabéns pelo site.
    Antonio Carlos

    • Olá Antônio Carlos,

      haha não sei se seria uma felicidade ter se identificado com o texto, mas estou feliz que tenha gostado de site.

      Fique a vontade para colaborar, sugerir ou apenas espiar. E volte sempre😉

  2. Poxa, sou trompetista, mas nunca fiz um churrasco na minha casa….
    mas essa parte de chegar atrasado nos ensaios eh verdade…acho q deve ser um dom dos trompetistas chegar atrasado sem ngm perceber…kkkkk

  3. Hahaha… É! Eu sou flautista… Perfeccionista, adoro minhas gravações e um pouco enxerida sim.. Não posso negar.. kkk.. Estudo violino e realmente começo a rir quando minha professora chama a atenção do Violino 1… !!! Aaaa… Eu sou um pouquinho metida sim.. Sem perceber!!! kkkk.. Parbéns pelo site…!!! Amei e todo dia eu entro para evr as novidades… É bem legal…!!

  4. Pode deixar… Tenho uma pergunta para fazer.. É que o meu breu caiu no chão e quebrou…Tem algumas marcas para me indicar? Se puder ajudar, muito obrigada…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s