O violinista Joshua Bell conversa, e toca de improviso, com jovens de Heliópolis


”Adotem a música!” – Reportagem Jornal Estado de SP – 24/06/2009

O violinista Joshua Bell conversa, e toca de improviso, com jovens de Heliópolis João Luiz Sampaio

Os jovens da Sinfônica de Heliópolis mal acabaram de fazer soar os acordes finais da Abertura Hebrides de Mendelssohn e um Joshua Bell de olhos arregalados curvou-se para cumprimentar o spalla do grupo. “Vocês tocam de maneira entrosada, olham uns para os outros, têm energia, excitação. Já toquei com as maiores orquestras do mundo e, acreditem, essa energia não é fácil de ver, não. Eu adoro Mendelssohn, é um dos meus compositores favoritos. Talvez um dia, quando vocês estudarem o concerto para violino dele, a gente possa tocá-lo juntos, que tal?” O riso maroto surgiu primeiro no rosto do maestro Roberto Tibiriçá e logo se espalhou pela orquestra, formada por jovens de 18 a 24 anos. Rapidamente, eles começam a tirar as partituras das mochilas. “Agora?”, perguntou Bell, já sacando da mala seu Stradivarius.

Bell é hoje uma das maiores estrelas do violino internacional, com quase 30 anos de carreira (ele não gosta de revelar a idade, mas vai fazer 41 anos em 2009) e mais de 35 gravações reconhecidas por prêmios como o Grammy. Está na cidade desde domingo, quando tocou com a Orquestra Sinfônica Brasileira na Sala São Paulo. Segunda e terça, fez recitais com o pianista Frederic Chiu no Teatro Alfa, parte da temporada do Mozarteum Brasileiro. Esteve em Heliópolis na manhã de ontem por conta de uma parceria da entidade com o Instituto Baccarelli, antigo trabalho de formação musical realizado na favela, a maior da cidade, do qual a Sinfônica de Heliópolis é o chamariz mais atraente.

Bell chegou pouco antes da 11 horas e foi recebido pelos alunos da classe infantil de violino do instituto. Tocaram para
ele Brilha, Brilha, Estrelinha, mas acoplando à melodia tradicional americana ritmos brasileiros que fizeram o violinista ensaiar uns passinhos. “Sempre que vou encontrar crianças eles tocam para mim essa peça, mas nunca tinha ouvido assim, com esse ritmo.” Depois da tradução, risinhos. “Vocês querem ver meu violino?” A professora contou a história do instrumento, de 1713, que já foi roubado duas vezes e vale US$ 5 milhões. E Bell tocou uma peça de Bach para os rostos atentos dos meninos e meninas de 7 a 11 anos. Do que gostaram mais, aliás? Dele ou do violino? Mayara, de 10 anos, pensa um pouco, põe o dedinho no queixo. “Dele… mas o violino é legal também. Achei bonito, deu até vontade de chorar.” Israel, de 12 anos, há quatro estudando violino, diz que não sabia que ele ia tocar. “Achei que ele ia só ouvir. A gente estava até com um pouco de medo.”

De volta à sala de ensaios da sinfônica, o primeiro movimento do concerto de Mendelssohn vai chegando ao fim. Bell inicia a cadência, parte dedicada ao solo do instrumento, hesita um pouco. “Acho que esqueci. E olha que essa cadência fui eu que escrevi”, diz ele, sorrindo, enquanto toca. O maestro Tibiriçá vai conduzindo os músicos até a parte final do movimento, da qual emerge o solo do fagote, sozinho sobre a orquestra. Bell relaxa, vira-se. Mas não é este o solo de fagote que abre o segundo movimento? Não, eles não pretendem deixar Bell escapar assim tão fácil. Ele ri, empunha uma vez mais o violino. As cordas da orquestra introduzem o tema. “Mais doce, mais doce”, pede Bell. É atendido. E o segundo movimento do concerto segue seu curso.

Bell diz que não gosta de dar master classes. Prefere conversar com os estudantes, trocar experiências. E que troca pode haver entre um jovem nascido no bucólico interior de Indiana, nos Estados Unidos, onde iniciou seus estudos aos 4 anos, e jovens carentes que enfrentam os desafios diários de uma metrópole como São Paulo? Um estudante pergunta a ele: “Ao se deparar com uma situação complicada, uma enorme dificuldade, você pensou em abandonar o violino?”

Quem começa a responder é o pianista Frederic Chiu, também presente no bate-papo. “Quando comecei minha carreira, fui morar em Paris. Não tinha dinheiro, ficava em um quarto sem banheiro, sem nada, sem piano. Como eu ia estudar? Eu parava as pessoas nas ruas e perguntava se tinham piano em casa, se me deixariam ensaiar nele. Tenho amigos chineses que foram proibidos de tocar pelo governo, não podiam ter piano, então desenhavam em um papel as teclas para poder estudar. Com isso, você se transforma. No meu caso, comecei a ver a música também dentro de mim, com a cabeça, pensava nas peças já que não podia tocá-las. Isso fez de mim um músico muito melhor. A dificuldade pode ser professora.” Bell pede a palavra, vai direto ao ponto. “Eu sei que muitos de vocês já passaram ou passam por enormes dificuldades. Mas aprendam a usar isso na música de vocês. Música é sofrimento, é conflito,mas é também a trajetória da superação em direção à alegria, à beleza. O sofrimento pelo qual vocês passam deve ser colocado na música de vocês. É isso que fará de vocês artistas e pessoas únicas. E, nunca, nunca, abandonem a música. Adotem a música. Tenham ela perto de vocês. Sempre. Para mim é claro que não existe vida sem música e tenho certeza de que com vocês é igual.”

Mendelssohn, Concerto para Violino, terceiro movimento. Bell olha para os violinos da orquestra enquanto seu solo emerge da malha sonora por eles produzida. Sorri, muito. “Pianíssimo, pianíssimo”, pede e logo vira o rosto na direção dos violoncelos. Não diz nada, mas eles reagem. “A gente não esperava poder tocar com ele. Estávamos ensaiando essa peça porque vamos interpretá-la na semana que vem. Mas foi incrível. Ele pega o violino e, de repente, do nada, sai fazendo música junto com a gente”, diz a estudante Carolina de Moraes, de 26 anos. “Nunca estive tão perto de um Stradivarius assim”, acrescenta Jessé Siqueira, de 21 anos, desde os 13 estudando violino. “Mas eu fiquei meio nervoso, trocando as notas, queria ficar prestando atenção no som maravilhoso do instrumento dele.”

Mais tarde, durante a conversa com os músicos, Bell fala de tudo um pouco. Adora videogame, seria psicólogo se não fosse músico, se bem que também tem fascinação por matemática e computação. Além, claro, de adorar comer e beber.

“Ontem estivemos em um… como fala? Rodízio. Uau.” A conversa, no entanto, logo volta para a música. Na pauta, Mendelssohn. “Vejam o que acabamos de fazer. Este concerto pode ser a coisa mais entediante e chata do mundo, mas pode também ser algo fascinante. O que faz a diferença é o prazer de fazer música, é o diálogo entre vocês, como percebi enquanto tocávamos. Não percam essa energia, de jeito nenhum. É ela que fará de vocês grandes músicos. É preciso ter prazer quando tocamos. Foi o que senti agora. E tenho certeza de que muitos de vocês serão grandes artistas e espero reencontrá-los mundo afora em boas orquestras.” Ele empunha o violino mais uma vez.

Toca, como despedida, Yankee Doodle. Os músicos querem mais, porém, já saíram de lá com um extra. Na semana que vem, quando receberem o violinista Erik Schumann, com quem se apresentam, e ouvirem a pergunta: “Vocês já tocaram essa peça antes?”, poderão responder: “Já, com Joshua Bell.” Precisa mesmo de mais?

Hahaha… Adorei esse artigo😉

9 comentários sobre “O violinista Joshua Bell conversa, e toca de improviso, com jovens de Heliópolis

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s